A vitória por 3 a 0 diante do Imperatriz, na rodada passada, além de manter o Paysandu no G4 também foi importante, individualmente, para o atacante Nicolas. Artilheiro bicolor desde o ano passado, ele convivia com uma “seca” de cinco jogos sem balançar as redes. Além de deixar a sua marca contra os maranhenses, deu o passe para o primeiro gol e teve participação no terceiro.

Nicolas, agora, tem 15 gols marcados na temporada. O jogador comemorou a marca, mas afirmou que o período sem furar o bloqueio adversário não vinha causando preocupação.

– A minha preocupação, sempre, é não contribuir com a equipe. Fico muito chateado quando não consigo fazer isso. Felizmente, no último jogo, consegui voltar a marcar, atingi um número de 15 gols na temporada, isso é muito bacana pra mim. Estou muito feliz. Consegui ajudar a equipe com gol, assistência, participei do terceiro gol… Acredito que trabalhando uma hora as coisas voltam a acontecer.

A tranquilidade nunca me deixou. Sempre trabalho muito. Vou errar, mas procurando evoluir. Voltar a marcar me deixa feliz por ajudar a equipe. Importante, acima de tudo, é a equipe vencer. Isso que me dá tranquilidade.
— Nicolas

No domingo, o Paysandu enfrenta o Ferroviário para continuar brigando por um lugar no quadrangular do acesso. Na partida realizada em Fortaleza, na sétima rodada, o Papão venceu por 2 a 0, naquela que pode ser considerada a melhor exibição do time paraense até aqui na Terceirona. Nicolas, que marcou um dos gols daquele jogo, avalia que o Lobo Alviceleste não pode se atrapalhar jogando no Mangueirão.

– Colocando em prática tudo o vem fazendo, sempre respeitando o adversário, acredito que a gente consiga sair com um resultado positivo. Só a gente pode dificultar ou facilitar o jogo. Sabemos das dificuldades que enfrentaremos, mas temos tudo pra fazer um grande jogo, ter um bom desempenho pra buscar os três pontos nesse momento importante da competição.

Faltando três confrontos para o fim da fase de classificação, Nicolas afirmou que é inevitável o Paysandu não olhar para a tabela pensando nas projeções do clube no torneio. Porém, segundo ele, sem desviar o foco jogo a jogo.

– A gente sabe que a situação na tabela só facilita conforme os nossos resultados dentro de campo. Obviamente não deixa de olhar a tabela, mas se preocupa sempre com o próximo jogo. Temos um nesse domingo onde sabemos que precisamos buscar um resultado positivo. Primeiro, pensar no próximo jogo pra, depois, programar alguma coisa na competição.

Para continuar entre os melhores colocados da Chave A, o Paysandu tem uma sequência dentro de Belém diante de Ferroviário, Botafogo-PB e Clube do Remo, respectivamente. Nicolas acredita que atuar em casa será importante para o futuro bicolor, apesar de não contar com o apoio da Fiel em razão do afastamento social na pandemia.

– A gente tem três jogos em Belém, os últimos (da fase de classificação) da competição. É bom porque não precisa ter o desgaste das viagens, mas não tem mudado muita coisa por causa do fator torcida. Infelizmente, a gente não está com a torcida a nosso favor presencialmente no estádio, mas, se não demonstrar e fazer por merecer, as coisas acabam não vindo. Serão jogos difíceis em Belém.

Fonte: G1
Foto: Jorge Luiz/Paysandu