A Polícia Civil prendeu em flagrante, na tarde do dia 18 de outubro, um homem de 23 anos suspeito de filmar e divulgar, nas redes sociais, o estupro coletivo de uma menina de 11 anos, no bairro Novo Tupi, na Região Norte de Belo Horizonte.

Em nota, a corporação informou que o suspeito é investigado por “filmar, compartilhar e armazenar cena de sexo envolvendo criança ou adolescente, crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente”.

Segundo a Polícia Militar (PM), os pais da vítima procuraram os policiais para relatar que a filha deles, de 11 anos, foi estuprada por quatro adolescentes, com idades entre 12 e 13 anos, em uma escadaria próxima a um campo de futebol, na tarde do último domingo (18). Eles souberam do fato depois de receberem o vídeo pelas redes sociais.

A PM informou que os pais da vítima disseram que os quatro suspeitos obrigaram a menina a fazer sexo com eles, segurando-a pelos braços. A criança contou que não sabia que estava sendo filmada e tentou pedir socorro, mas um dos meninos tampou a boca dela.

Ainda segundo a PM, todos os adolescentes suspeitos são moradores do bairro e já conheciam a vítima. Eles foram levados para Delegacia de Plantão Especializada de Investigação de Ato Infracional (Dopcad), onde foram ouvidos.

Segundo a Polícia Civil, os adolescentes foram apreendidos e encaminhados à audiência. O processo encontra-se no Poder Judiciário, na Vara da Infância e Juventude em BH.

Os adolescentes negaram para a polícia as acusações da família da vítima. Eles disseram que a menina quis fazer sexo com eles. Já o homem de 23 anos confirmou que fez as filmagens, mas alegou que estava distante dos adolescentes e não sabia o que estava acontecendo.

A vítima passou por exames no hospital Odilon Behrens, na Região Nordeste de BH.

 

Estupro de vulnerável

Pais procuraram a polícia porque receberam vídeo do estupro pelas redes sociais — Foto: Reprodução/TV Globo Pais procuraram a polícia porque receberam vídeo do estupro pelas redes sociais — Foto: Reprodução/TV Globo

De janeiro a julho deste ano, foram registrados 1.597 casos de estupro de vulnerável em Minas Gerais. Em BH, neste período, foram 187. Os dados são da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Para a neuropsicóloga Edinalva Borges, a situação reflete um adoecimento da sociedade.

“É necessário uma atenção dos pais para seus filhos, essa abertura para o diálogo, para que eles possam falar o que está acontecendo”, disse.

 

Fonte: G1.com
Foto: Reprodução/TV Globo