O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou hoje que pretende usar parte dos recursos do novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) e de precatórios para bancar o novo programa social que substituirá o Bolsa Família.

Não houve, porém, a divulgação do valor que cada futura família no programa deverá receber com o novo benefício.

O anúncio aconteceu em pronunciamento no Palácio da Alvorada, após reunião com ministros e líderes da base aliada pela manhã na residência oficial para tratar da segunda fase da reforma tributária e do programa social que substituirá o Bolsa Família.

O novo programa social servirá ainda como uma espécie de continuação do auxílio emergencial com a marca da gestão Bolsonaro visando manter a popularidade do presidente para a reeleição de 2022. Internamente, vem sendo tratado como “Renda Brasil” ou “Renda Cidadã”.

No planejamento do governo, após acertar detalhes com os líderes da base, os textos serão apresentados às outras bancadas do Congresso. Ainda não houve acordo para que o projeto de reforma tributária seja enviado ao Parlamento.

Embora a criação de um novo imposto sobre transações digitais seja estudado pela equipe econômica, como uma nova CPMF, o tema não foi citado hoje pelo presidente Bolsonaro nem pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e líderes da base hoje no pronunciamento. Eles também não responderam a perguntas dos jornalistas.

 

Fonte: UOL
Foto: Marcos Corrêa/PR